segunda-feira, 13 de junho de 2016

MHLA

Quando tiver desaparecido a ultima pessoa que, sabe quem tu és, sabe como tu és, sabe como tu funcionas. A ultima para a qual és verdadeiramente transparente, sem filtros, sem tretas. Terás a verdadeira percepção do teu eu.
Apenas e só, quando estiveres só. Absolutamente só.
Só pela irreversibilidade crescemos.
Até lá, tudo é garantido. Há sempre alguem que nos define. Mesmo quando, acima de tudo, quando, nós proprios, andamos á deriva. E nem um espelho nos elucida.

Não é quantificável a perda, directamente proporcional ao ganho. No free meals.

Não dá mais que isto. Sigo o exemplo, faço o que posso, com aquilo que tenho. O peso é enorme. Desculpa Mãe (retórica, eu sei).

Sem comentários: